Cuscuz Veg das Festas Juninas

Esse cuscuz veg das festas juninas não vai ao forno, é bacana porque dá para montar em pequenas porções e ainda é mais saudável. Dá para controlar o azeite na hora de refogar para depois abusar quando tiver pronto para ficar mais suculento. E ainda acho que pode explorar bem a pimenta.

Ingredientes

2 cebolas médias

4 dentes de alhos

1/2 pimentão amarelo

2 tomates grandes maduros

1/2 latinha de extrato de tomate

1 lata de milho

1 lata de ervilha

1 bom punhado de salsa

1/2 litro de água

200g de Farinha de milho

Sal, Azeite, Pimenta do reino a gosto

cuscuz veg

Como eu fiz

Refoguei no azeite nesta ordem: cebola e azeite. Depois, tomate e pimentão amarelo até ficar amolecido. Coloca o milho, ervilha, salsa, refoga 5 minutos. Despeja a água e deixa ferver. Feito isso, entra com a farinha de milho em flocos.  É fácil perceber o ponto. Para finalizar, coloque azeite frio.

Paralelo a isso, cozinhe os ovos (4 já dá para essa receita) e corte em fatias finas paralelas.

Montar

Usei umas forminhas de silicone, coloquei o ovo (salpicado com sal e pimenta do reino) e o cuscuz bem apertado. Depois é só virar na forma e pronto.

Dicas

Da 1ª vez coloquei brócolis e ficou bom.

Desta vez, coloquei um pouco de molho inglês. Vale a pena.

cuscuz veg

Caldo de Capeletti pro Batalhão

O 1° capeletti a gente nunca esquece?!

Resolvi fazer para o aniversário da Luana e mandamos ver em 1 quilo de farinha. O resultado foram quase 100 capelettis. Tá certo que desisti no final, porque ia dar muito mais. E acabei usando a massa para rondelli e Ravioli di gema (veja aqui).

Portanto, a receita abaixo vai ser considerada para o que foi utilizado apenas no capeletti. E a ideia foi seguir a linha vegetariana com recheio de espinafre, ricota e amêndoas torradas.

Caldo de Capeletti

Ingredientes

Para massa

7 ovos

700g de farinha

Azeite, pimenta do reino e sal a gosto

Para o recheio

1 maço de espinafre

400g de ricota

100g de amêndoas torradas e moídas

Para o Caldo

½ talo de salsão

2 cenouras

1 cebola grande

2 litros de água

3 cravos da índia

5 grãos de pimenta do reino

caldo de capelleti caldo de capelleti

Preparando o recheio

Ferva o espinafre até a água começar a ficar verde. Retire e pique na ponta da faca. Brincadeira. Só fique sem frescura.

Como o recheio é de ricota, precisamos fazer o negócio ficar saboroso. Nada contra o queijo ;)

Refogue cebola e alho no azeite e acrescente o espinafre. Coloquei noz moscada e pimenta do reino. Retire e deixe esfriar.

Misture com a ricota e as amendoas torradas e já moídas.

Caldo de Capeletti

Como montei

Abri a massa na máquina e fiz os cortes circulares com uma xícara. Inclua o recheio e obre em ½ lua e uma as duas pontas grudando com água. Deixe secar e pode guardar na geladeira ou congelar.

E o Caldo?

Aqui, a chefa da casa entrou em ação!

Ela preparou o caldo como qualquer outra sopa, ou seja, muito amor, e, neste caso, respeitando o salsão mais do que eu. A receita que buscamos era de 1 talo. Colocamos ½ para não arriscar e ficou na medida.

Corte a cebola em quatro partes, as cenouras e o salsão em pedaços grandes. Coloque tudo na panela com a água e, assim que ferver, deixe cozinhando em fogo baixo por 30 minutos. Retire todos os legumes, coe e fique apenas com o caldo.

Acrescente o capeletti e deixe cozinhar por pouco tempo, algo em torno de 10/15 minutos, para não correr o risco de desmanchar.

Sirva com salsinha fresca e queijo ralado grana padano mais caro do mundo. Se não der, pode ser qualquer parmesão de boa qualidade.

Caldo de Capeletti

Dicas:

– No Mercadão de São Paulo tem um Uruguaio que é excelente e barato, algo em torno de R$ 60 o kilo.

– É complicado para dar a liga neste recheio. Sugestão? Coloque um iogurte natural, grego, requeijão…só para a mistura ficar mais homogênea.

– Com os legumes que sobraram, bata no liquidificador com água e faça uma nova sopa.

 

Bolo com Chá Verde e Coco. Que p…é essa?!

Essa eu peguei na Revista Prazeres da Mesa e resolvi testar se era boa mesmo a receita. O segredo está no controle da quantidade de Matchá (chá verde). E troquei a farinha de trigo por farinha de arroz. Tá estranho? O equilíbrio vem com a calda de cocô. É uma boa opção para sobremesas geladas!

Ingredientes

A Massa

100 g de açúcar

75 g de farinha

25 g de matchá

20 ml de água (eu fui controlando, para dar a liga com o matchá)

20 ml de óleo

4 ovos

Manteiga e farinha de trigo para untar as forminhas

Calda de coco

150 g de coco fresco ralado

150 g de açúcar

500 ml de leite de coco

500 ml de leite (usei metade e foi o suficiente)

Como eu fiz

Massa

Bati as claras em neve e reservei. Dissolvi o matchá (se só tiver chá verde, moa bem) com água e reservei.

Enquanto isso, pegue as gemas com o açúcar (usei o demerara). Quando dobrar quase de volume vá colocando o óleo e continue batendo. Agora é hora de colocar o matchá, a farinha de trigo. Aqui eu fiz com Farinha de Arroz, porque estamos cortando o glúten.

Para finalizar, misture as claras de neve, com bastante cuidado e mexendo devagar. Reserve.

Calda de coco

Em uma panela deixe reduzir a 1/3 todos os ingredientes. Como fiz tudo junto, depois de pronto, coloquei para esfriar em uma imersão de água com gelo.

Para Montar

Usei uma forma de pudim untada com manteiga e farinha.  Ao desenformar, despeja a calda de coco. Coloquei umas duas/três horas na geladeira.

Nhoque de Banana – e é de Pacovan

A minha receita preferida, por enquanto. Apesar de que a Pizza de Abobrinha é foda.

Vamos lá. Visitando o Sítio Sassafraz, em Itupeva, conheci a banana Pacovan, uma espécie de banana da terra. Cada uma pesava ½ quilo.

O interessante é que o Nhoque de Banana não é cozido, mas sim frito e, combinado com as folhas de couve e a farofa de bacon, encontra um equilíbrio perfeito.

nhoque de banana pacovan

Ingredientes

(para 4 pessoas)

2 bananas Pacovan (aproximadamente 1kg)

5 fatias de bacon

Folhas de couve

1/2 xícara (chá) de amido de milho

1 xícara de queijo meia cura ralado (pode ser parmesão, se preferir, mas é mais forte)

Azeite, pimenta do reino e sal a gosto e na hora que eu explicar abaixo

nhoque de banana pacovan

Hora da banana

Coloca em forno pré-aquecido por uns 15 minutos. Com casca, mesmo. Assim que ela ficar preta e macia por dentro (espeta o garfo). Tire e reserve para esfriar.

Bata no mixer junto com o amido de milho já dissolvido com um pouco de água.

Coloca numa panela para refogar e acrescente sal, a pimenta do reino e o queijo. Assim que ficar homogêneo e der para ver o fundo da panela, pode desligar e deixar esfriar.

A outra turma

Pegue um prato, coloque umas duas folhas de guardanapo, ponha as fatias de bacon em cima e cubra com mais duas folhas de guardanapo. No micro-ondas, deixe uns 2 ou 3 minutos até ficarem bem sequinhos. Retire e moa. Deixa num canto longe de todo mundo.

Lave a couve e corte sem os talos. Pode ser grosseiramente. Ela você pode deixar à vista.

nhoque de banana pacovan

Fritando todos

Agora é o desafio. A massa é um pouco grudenta, portanto pegue farinha de trigo para ajudar a fazer os rolinhos de nhoque. Vá montando as cobrinhas e fazendo os cortes no tamanho ideal para ficar bonito na foto.

Tudo pronto é hora de esquentar uma frigideira com azeite e fritar os nhoques. A hora que der uma tostatinha, retire e coloque num prato.

Faça o mesmo procedimento com a couve. E vá acrescentando o nhoque para unir os aromas. Testa o sal e a pimenta.

Hora do Selfie

Retire da frigideira a quantidade desejada do nhoque com couve e coloque em um prato. Pegue o bacon escondido, salpique, chama a turma para dividir o vinho e bom apetite!

nhoque de banana pacovan

 

Dica

– Se não encontrar a banana Pacovan, pode ser a tradicional “Da Terra”.

– Para quem é vegetariano, pode trocar a farofa de bacon por um tofu defumado. Alguém sabe fazer?

Batata-Doce da Wine

Nem de perto sou fã de batata-doce e, muito menos, vinagre. Mas depois dos 30 é muita frescura não provar novas combinações na cozinha, e por que não preparar? Achei a receita nas dicas do chef da revista Wine. Vamos aos ingredientes:

  • 2 batatas-doce rosadas
  • 50g de açucar
  • 100ml de vinagre balsâmico
  • 80g de pimenta-biquinho
  • 80g de queijo gorgonzola
  • 80g de castanhas do pará bem cortadas
  • folhas de agrião precoce
  • pimenta do reino e manteiga

Primeiro você coloca as batatas-doce enroladas em papel-alumínio por uns 30/40 minutos no forno a 180°.

Enquanto isso, prepare o molho, derretendo o açucar até a cor de caramelo, acrescente o vinagre balsâmico (abra as janelas da casa) e, quando estiver homogêneo, coloque a pimenta biquinho. Nem precisa ficar mexendo. Reduza até ficar em ponto de calda e reserve.

Pegue as batatas-doce e corte no estilo-filé. Passe a manteiga e coloque na chapa para deixar um pouco dourada.

Monte o prato

Coloque a batata no prato com a poupa para cima, cubra com o queijo gorgonzola, o molho já quente, as castanhas do pará e o agrião. Para finalizar, coloque um pouco mais da calda e pimenta do reino.

Fica muito boa a combinação do vinagre reduzido com a batata-doce. Já fiz com batata normal e não ficou legal.

Dicas

  • A quantidade de caldo rende, no máximo, para essas duas batatas e depende da espessura que você cortar a batata.
  • Você pode colocar o gorgonzola sobre a batata, enquanto ela está na chapa, para derreter levemente.

Batata-doce da Wine